ADORA Mediação Imobiliária
Visitar Goste da página Facebook CONTACTAR...

Um Encontro, em dia abençoado

Ser Biológico

Encontros Imaginários

| Eis que se deu mais uma sessão dos “Encontros Imaginários” desta vez em dia abençoado pelo Santo António, aquele que apesar de não ser o padroeiro da Cidade da Amadora, quis-se que fosse festejado, ou não seja esta época festejada um pouco por todo o lado.

E para assinalar o dia celebrado a este Santo, nada melhor do que ele próprio ser um dos convidados destas conversas, as quais são sempre no mínimo inusitadas, educativas e até divertidas.

Para acompanhar Santo António (Luís Palma Gomes), nesta mesa moderada pelo anfitrião Jacinto Furtado, esteve João Brandão (Eduardo Santiago) e D. Luísa de Gusmão (Sandra Santos).

Se não teve oportunidade de estar presente, nesta sessão, fique a saber que ainda é possível assistir a mais uma sessão que terá lugar dia 17 de Junho, no Auditório de Alfornelos, pelas 21H30.

Convidados
Santo António

Santo António (Luís Palma Gomes)Tendo sido Frade Agostiniano no Convento de São Vicente de Fora, em Lisboa, foi posteriormente para o Convento de Santa Cruz, em Coimbra, onde aprofundou os seus estudos religiosos através da leitura da Bíblia e da literatura patrística, científica e clássica.

Tornou-se franciscano em 1220 e viajou muito, vivendo inicialmente em Portugal, depois em Itália e França.
No ano de 1221 fez parte do Capítulo Geral da Ordem em Assis, a convite do próprio Francisco, o fundador, que o convidou também a pregar contra os albigenses em França.

Foi transferido depois para Bolonha e de seguida para Pádua, onde morreu aos 36 (ou 40) anos.
A sua fama de santidade levou-o a ser canonizado pela Igreja Católica pouco depois de falecer, distinguindo-se como teólogo, místico, asceta e sobretudo como notável orador e grande taumaturgo.

Devido à sua enorme popularidade, Santo António é comemorado com grandes festas em todos os locais do mundo onde a devoção se enraizou.
Em Portugal destaca-se a festa em Lisboa, a sua cidade natal.

D. Luísa de Gusmão

D. Luísa de Gusmão (Sandra Santos)Luísa Maria Francisca de Gusmão e Sandoval (em espanhol, Luisa María Francisca de Guzmán; Huelva), pelo seu casamento com João, Duque de Bragança, veio a ser a primeira rainha de Portugal da quarta dinastia.

Após a aclamação, instalou-se em Lisboa com os filhos, vivendo para a sua educação.
Exerceu no governo sempre que o rei acorria à fronteira do Alentejo, como em Julho de 1643, auxiliada nos negócios públicos por D. Manuel da Cunha, Bispo capelão-mor, Sebastião César de Meneses e o Marquês de Ferreira.

No testamento do esposo, D. Luísa foi nomeada regente durante a menoridade de D. Afonso VI, aclamado no Paço da Ribeira em 15 de Novembro de 1656, aos 13 anos.

João Brandão

João Brandão (Eduardo Santiago)João Brandão, foi um defensor dos Cartistas.
Esteve envolvido em lutas eleitorais como cacique e organizador de sindicatos de voto.
Ainda hoje há bastantes dúvidas sobre o verdadeiro carácter de Brandão, por uns visto como criminoso, homem cruel e para outros como filantropo (principalmente pelo povo da sua região).

Seja como for, João Brandão, os seus irmãos António e Roque, o próprio pai, primos e alguns seguidores não aparentados, ficaram conhecidos como o “Bando dos Brandões” tendo sido conhecido, como um dos bandos políticos que, no século XIX, armados com todo o tipo de armas, desde bacamartes, a punhais, vararam as Beiras a ferro e fogo.

João Brandão e os seus pares acabaram a contas com a Justiça do Reino, derrotados pelas tropas regulares, de linha.
Foram, uns baleados e outros atirados para o degredo em África.
A queda do Bando dos Brandões derivou da solidificação do liberalismo monárquico em Lisboa.

A entrada nos “Encontros Imaginários” de dia 17 de Junho, é gratuita.

Fotos: Sandra Adonis

Scroll Up
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Instagram