Sónia Adonis Jewellery
Visitar Goste da página Facebook Contacte Adonis Jewellery

Luís Miguel Cintra retira-se da Vida Artística

Foi depois da última apresentação da peça “Hamlet” de Shakespeare que esteve em cena no Teatro da Cornucópia, em Lisboa, que o actor e encenador Luís Miguel Cintra anunciou que, por motivos de saúde, aquele seria o seu último trabalho.

Cartaz HamletEsta foi uma notícia que apanhou desprevenidos, muitos dos presentes que desejariam continuar a ver o actor de 66 anos, a actuar nos palcos, nomeadamente na sua casa residente, o Teatro da Cornucópia.

Nascido a 29 de Abril de 1949, Luís Miguel Cintra, dá os seus primeiros passos no teatro em 1968, no Grupo de Teatro de Letras, da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, enquanto frequenta o Curso de Filologia Românica.

Entre 1970 e 1972 frequenta o Acting Tecnhical Course da Bristol Old Vic Theatre School, como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, tendo em 1973 fundado o Teatro da Cornucópia, juntamente com Jorge Silva Melo.

Foi neste Grupo de Teatro que dirigiu peças de Brecht, Tchekhóv, Goethe, Molière, Ésquilo, Séneca, Sófocles, Edward Bond, Gorki, Jordheuil, Horvath, Gil Vicente, Samuel Beckett, Kroetz, Buchner, Wenzel, Shakespeare, Lope de Vega, Heiner Muller, Botho Strauss, Beaumarchais, Pier Paolo Pasolini, R. W. Fassbinder, Luís de Camões, António José da Silva, Stravinski, Jean Claude Biette, Joe Orton, F. Garcia Lorca, August Strindberg, Eduardo de Filippo, Jean Genet, Courteline, Pierre Corneille, Jakob Lenz, Grabbe, Kleist, Rezvanni, Luigi Pirandello, Francisco de Holanda, Raul Brandão, Calderón, entre outros, tendo participado como actor em quase todos os espectáculos por si encenados.

Também no Teatro S. Carlos deixou a sua marca, como encenador de ópera, em obras como “L’Enfant et les Sortilèges”, de Ravel e “Dido e Eneias” de Purcell em 1987; “As Bodas de Figaro” de Mozart em 1988, “L’Isola Disabitata” de Haydn em 1997; “Jeanne d’Arc au Bûcher de Honneger” e “Claudel” em 2003 e “Medea” de Cherubini em 2005.

Sob a direcção musical de João Paulo Santos, encenou em 1990, em co-produção com a RTP, no Teatro da Cornucópia, “Façade” e “O Urso de William Walton”. Também em 1996, na Culturgest, encenou “The Strangler de Martinu”.

Em 2000, encenou em co-produção do Teatro da Cornucópia/Culturporto/Teatro Nacional de S. Carlos/Orquestra Nacional do Porto, “The English Cat” de H. W. Henze Edward Bond e em 2004 “Le Vin Herbé” de Frank Martin para o Teatro Aberto.

Também o cinema foi um dos seus palcos, onde apareceu em filmes de João César Monteiro, Paulo Soares da Rocha, Luís Filipe Rocha, Solveig Nordlund, Jorge Silva Melo, Manoel de Oliveira, Christine Laurent, José Álvaro de Morais, Pedro Costa, Joaquim Pinto, Maria de Medeiros, Patrick Mimouni, Teresa Villaverde, João Botelho, Pablo Llorca, Jorge Cramez, John Malkovich, Raquel Freire, Jean-Charles Fitoussi e Catarina Ruivo.

Recebeu muitos prémios, salientando o Prémio Bordalo da Casa da Imprensa em 1995 (Melhor Interpretação em Cinema) e em 1997 (Interpretação em Teatro) em 2005, sendo que já neste ano de 2015, foi distinguido com o Prémio Carreira da Academia Portuguesa de Cinema.

A peça “Hamlet”, integrada no “Festival de Almada” voltará ainda aos palcos, de 23 de Outubro a 15 de Novembro, no Teatro Municipal Joaquim Benite.

Fonte: Jornal Dínamo
Fotos: Luís Miguel Cintra / Teatro da Cornucópia

Comentar

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
RSS
Facebook
Facebook
Instagram